sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

034 - A Certeza que Faz Exagerar

Olá, crionças amadas!Bem vind@s tod@s a mais uma postagem aqui, da Discoteca!
Quais as novidades? Oxe, JURA? Que coisa boa!!! Também quero!!! Não esqueça de mim, hein?
Bem, vamos logo ao que interessa, que a galera tá com pressa, hehehe!
Vocês certamente já viram vários artistas fazendo homenagens àqueles que os influenciaram, certo? Desde as bandas covers aos concertos onde vários nomes aparecem para cantar algo que geralmente está fora de seu repertório. Aqui na minha terrinha, temos como exemplo a $ifrão, que tem apresentações de homenagem a bandas como Los Hermanos e Legião Urbana engatilhadas além de seu próprio (e extenso) trabalho autoral.
Pois a obra de hoje é exatamente isso: uma grande homenagem a uma artista completamente estabelecida por um artista que está "chegando lá" - e em grande estilo!
Vamos aos trabalhos!

Fonte da imagem: https://www.facebook.com/silvabrasilfc/

Álbum: SILVA Canta Marisa Monte
Artista: SILVA
Gravadora: Independente
Data de lançamento: 11/12/2015
O jovem multi-instrumentista capixaba Lúcio Silva de Souza já tinha certa experiência como compositor e produtor, trabalhando com seu irmão, Lucas Souza - aliás, ele era parte da cristã Lucas Souza Banda. Eventualmente, a produção autoral passou a ser muito grande e ele acabou tendo que vencer a timidez e partir para o microfone. Nascia, ali, um cantor: SILVA.
Fonte da imagem: http://euamompb.blogspot.com.br/

Foto por André D'Ugo!
Tal qual seu conterrâneo e contemporâneo Bernardo John, o rapaz quis buscar novos horizontes musicais e explorou a música eletrônica, o pop e o romantismo (claro, com doses de religião, afinal, é um rapaz protestante advindo de uma banda cristã). E a coisa deu muito certo: música em trilha de novela global, duetos com nomes contemporâneos, seu nome incensado pelos "grandes cânones da MPB" e shows pelo Brasil e pelo mundo. Os irmãos Silva Souza ainda compõem e produzem juntos, mas a Banda já era e, por alguma razão, o irmão Lucas não quis seguir carreira-solo, enquanto a carreira de SILVA decolou.
Fonte da imagem: https://www.facebook.com/silvabrasilfc/
SILVA gravou para o programa "Versões", do canal BIS, um especial apenas com canções do repertório de Marisa Monte. O programa foi ao ar anteontem, dia 09, seu fandom conseguiu extrair o áudio dos vídeos e lançou HOJE, de forma gratuita, então corre pra baixar, gota!!! Em tempo: ele faz parte do elenco da SLAP, ou "Som Livre Apresenta" - ou seja: o rapaz é um contratado global. Ainda assim, este álbum foi lançado de forma independente como um presente de natal dos fãs para os fãs, uma vez que SILVA encontra-se em fase de promoção de seu terceiro álbum, "Júpiter".
Fonte da imagem: http://canalbis.globo.com/
O show inicia com uma versão de "Ainda Lembro" relativamente fiel à original (até com algumas tentativas de melismas à Ed Motta). Embora não tenha feito feio, Ed Motta SILVA não é, mas chamou a atenção involuntariamente para um ponto: a falta de necessidade de um dueto (algo que acompanha Marisa em suas apresentações ao vivo desta canção - parece faltar alguém quando ela canta só).
Mas não se engane pela primeira canção. SILVA não entregaria seu ouro, assim, tão fácil, especialmente sem oferecer um pouco de familiaridade ao público cativo de dona Marisa. A partir daí, as maquinações de sua mente fértil dão as cartas, como em "Infinito Particular", que ficou ainda mais misteriosa, mesmo com as batidas bem marcadas e a guitarra distorcida. "Não Vá Embora" virou um reggae com toques eletrônicos que ficaria bem no repertório de, digamos, Rachel Stevens, Ms. Triniti ou talvez mostre o caminho pra Cidade Negra.
A versão de SILVA para "Tema de Amor" é vencedora. Eu não gosto da original (o ponto fraco do maravilhoso "Memórias, Crônicas e Declarações de Amor"), e nem esperava nada. De repente, aparece uma coisa cheia de groove e eu nem reconheci de que canção se tratava. Palmas para ele!
Fonte da imagem: http://canalbis.globo.com/
Intérpretes têm maneiras diferentes de interpretar, obviamente. São muitas maneiras de ver o mundo, muitas vivências e opiniões diferentes, então, são maneiras diferentes de se olhar uma mesma letra. A diferença ficou gritante em "O que Me Importa" - enquanto Marisa foi fundo no drama, SILVA preferiu se utilizar de algo próximo à indiferença. Para mim, ambas as interpretações poderiam se complementar, mas são igualmente belas em suas diferenças de arranjo.
Algumas coisas em SILVA Canta Marisa Monte, como a sua releitura de "Alta Noite" (minha favorita de "Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão"), não funcionam a contento, mas nada que comprometa o resultado. SILVA já ganhou reputação de ser um produtor exigente e perfeccionista, então, obviamente que um show como este não teria material que fosse pouco pensado ou de baixa qualidade.
Fonte da imagem: https://www.facebook.com/silvabrasilfc/

Pra você também, SILVA!...
SILVA Canta Marisa Monte não é, exatamente, uma obra que introduza @ ouvinte à obra de SILVA, mas é uma bela homenagem a Marisa Monte e uma adição digna a qualquer Discoteca. Com arranjos inventivos e um cantor mais seguro de sua própria voz e em franca evolução, a obra serve tanto como uma merecida homenagem a Marisa quanto como um atestado do quão grande SILVA ainda se tornará.

VEJAM TAMBÉM!
Biblioteca

"Unidades de Conservação de Alagoas"
(técnico)
Alex Nazário Silva Oliveira, Clarice Maia F. de Amorim e Rosângela P. de Lyra Lemos
Filmoteca

"Dias Melhores Virão"
(longa-metragem)
Cacá Diegues

Um comentário:

  1. Interessante, sou muito desatualizada,nunca tinha ouvido falar dele.

    ResponderExcluir